Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


circuito cenro interior.jpg

Circuito centro pontos.jpg

 

Distance - 1,000 kms. Difficulty - Ages. Circuit - Urban / Mountain Duration - 8 days

 

Castelo de Alomoural (Almourol Castle) - The Almourol Castle is situated on a small island that was already inhabited in Roman times of the peninsula, from the 8th century, was occupied by the Muslims, who have conquered the Visigoths. Within the Christian reconquest of the Iberian Peninsula, Almourol was conquered by D. Afonso Henriques in 1129, which gave the Templar Order.

 

almoural.jpg

 

Castelo Branco (White Castle) - Located in Beira Baixa, the Castelo Branco is home district and one of the largest counties in the country, the center of a vast plateau region between the basins of the rivers Pônsul and Ocresa.

Castelo Branco owes its name to the existence of a Luso-Roman fort, Castra Leuca, at the top of the Hill of Cardosa, where took place the settlement of this town, then dubbed Albi Castrum.

The city was conquered from the Moors in the 12th century, and later some areas were offered to the Temple Order, charging them of their settlement and defense, to who built the castle of the town.

Cast._Branco_-_Jardim_do_Paço_Episcopal.jpg

 

Monsanto (Historical Village) - Monsanto (most Portuguese of Portugal Village) is located northeast of Idanha Land, nestled on the slopes of a steep rise - the hill of Monsanto (Mons Sanctus) - which rises abruptly in the meadow and, in its highest point reaches 758 meters. The different sections of the slope and at the foot of the hill, there are scattered villages, attesting to the population shift toward the plain.

This is a very old place, where there is human presence since the Palaeolithic. Archaeological remains realize a Lusitanian Castro and Roman occupation in the field called S. Lourenço (St. Lawrence), at the foot of the hill. Remains of Visigoth and Arab stay were also found.

 

monsanto1.jpg

 

Covilha - The city of Covilha is located in the southeastern slope of the Serra da Estrela and is one of the urban centers of greater importance in the region.

The highest point in mainland Portugal, the Tower (1993 m), belongs to the parishes of Unhais da Serra (Covilhã), São Pedro (Manteigas), Loriga (Seia) e Alvoco da Serra (Seia), being included in three municipalities: Covilha, Manteigas and Seia, but is located around 20 km from the urban center of Covilha, and therefore the nearest Portuguese city of the highest point in mainland Portugal.

 

covilhã.jpg

 

Belmonte (Historical Village) - The story of Belmonte arises normally associated with the history of the Cabrais and the Jews. It was the birthplace of Pedro Alvares Cabral, who in 1500 commanded the second armed to India, during which it was discovered officially Brazil.

The human presence in the current municipality of Belmonte is proven since the earliest times. The Anta Caria, the Castros of Caria and Chandeirinha certify the longevity of fixing the pre- and proto-history. The Roman presence is also evident by the testimony of Centum Tower Cellas or the Villa Quinta da Fórnea, waypoints, the road linking Mérida to the Guarda.

 

belmonte.jpeg

 

Guarda - In the early centuries of Romanization of the Iberian Peninsula inhabited the region of Guarda Lusitanian people. Including the Igaeditani, the Oppidani Lancienses and Transcudani. These people united under an authentic federation were to resist the Romanization for two centuries. Unlike Latinized these people did not consume wine, but before beer acorn. His weapon of choice was the “falcate” - a sword curve - which easily broke the Roman swords because of its metallurgical superiority. Their pagan gods also differed from the Romans can still meet some Lusitanian religious inscriptions in temples as the Cabeço of Fráguas.

The best known and consensual explanation of the meaning of the epithet of "city of five F's' meaning Forte (strong), Farta (abundant), Fria (Cold), Fiel (loyal) and Formosa (taiwan). The explanation of these Fs as subsequently adapted to other cities is simple:

Forte (strong): the castle tower, the walls and the geographical position demonstrate their strength; Farta (abundant): Due to the richness of the Mondego valley; Fria (Cold): the proximity to the Serra da Estrela and the fact that it is situated at an altitude explain this F Fiel (loyal): because Álvaro Gil Cabral - which was Alcaide-Mor Castle Guard and great great grandfather of Pedro Alvares Cabral - refused to surrender the keys of the city to the King of Castile during the 1383-85 crisis. Breath still had to fight in the Battle of Aljubarrota and take a seat in the Cortes 1385 where elected Master of Avis (John I) as King; Formosa (taiwan): for its natural beauty.

 

guarda.jpg1

 

Almeida (Historical Village) - Also known as "Rock Star," Almeida is located in the district of Guarda, Beira Interior region, specifically in an area called Land of Riba-Coa. Your border character is quite remarkable, since all his confrontation east is with Spain, forming part of the border Portugal-Spain, better known as Ray, meaning that this area also called "Arraiana region."

Received a charter of King Dinis in 1296.

The place names have literal translation from Arabic: Terra Plana ('Flatland)', which makes perfect sense since the territory of the county is largely plateau area. Across the south of the county to the north, and one of the few Portuguese rivers flowing in this direction, the Côa river valley that opens an abrupt plateau, dividing the city into two parts well-creased.

 

almeida-estrela.gif

 

Castelo Rodrigo (Historical Village) - Known as the "Fortress of the turrets," the territory of Riba-Coa was occupied since ancient times, with Paleolithic remains, megalithic, the Celtic culture, Romans and Arabs. The concern with the reorganization and settlement of this area at the time of the reconquest is reflected in donations to the friars Salamantinos, founders of the Order of St. Julian Pereiro, and the first monks of Santa Maria de Aguiar, coming from Zamora, of the Monastery Santa Maria de Aguiar, of Cistercian foundation of the 12th century, it is important testimony.

Captured from the Arabs in the 11th century and dependent on the Kingdom of León, was elevated to municipality village by Alfonso IX, definitely integrating the Portuguese territory to September 12, 1297, by the Treaty of Alcanizes - signed by King Dinis, which confirmed its Foral Trancoso and sent repopulate and rebuild the castle, repeated action of Ferdinand I, which also awarded him Charter Fair, in 1373.

Castelo Rodrigo is surrounded by a walled waist initially composed of 13 turrets (like de Ávila). Retains its medieval maps, which radiates from the citadel and follows the topography. Its streets are interesting houses, some Manueline, other Arab buildings.

Being on the route of pilgrims to Compostela, here stood the Church of Our Lady. Of Rocamador, founded by a brotherhood of hospitable brothers coming from France in the 13th century.

 

castelorodrigo.jpg

 

Trancoso (Historical Village) - Located on top of a plateau, which overlooks a vast territory between the Serra da Estrela and the Douro valley, developed around its castle, founded in the 8th century.

Throughout the Middle Ages, was an extremely important strategic military place, installed in an unstable border region, where there were several conflicts and battles, first among Christians and Muslims and later between Portugal and neighboring kingdoms.

With Foral granted by D. Afonso Henriques (1162-65), at the dawn of nationality, Trancoso was already one of the main towns in the region. It would also be an important trading center; where from D. Afonso III (1273) went to perform one of the oldest and busiest frank fairs in the kingdom, perpetuated in our days by the famed Feira de S. Bartolomeu (St. Bartholomew Fair)

The origin of the name "Trancoso" motivates today speculation and imagination. There are at least two explanations, both mythological bent. Such explanations, however, may not be as fanciful as the match would be led to think. One of these explanations states that the name derives from "troncoso", that is, the name would be to be due to the fact that there are large trees in the area where the city was founded. The second, which was considered by Charles Joly (1818-1902) in 1893, one of the largest trees of Europe, no longer exists, but today you can see impressive trees as the "Linden Great Trancoso". Another explanation, which specifically specific an act of foundation, rather like Rome (cf. Foundation of Rome), states that the city will have been founded by an emissary coming from Egypt or Ethiopia. The emissary name would be Awseya Tarakos, who later would become king of Ethiopia, the Solomonic dynasty. There are also other European cities whose names have some similarities with Trancoso, and there may be some relationship between them (Tarragona, Tarascon, etc.). In Portugal, currently, you can find Trancoso assignment to other locations and places. There is also a river in northern Portugal, the Minho River tributary that name.

 

trancoso.jpg

 

Viseu - The origins of the city of Viseu date back to the Celtic period and with Romanization, was very important, perhaps due to the junction of Roman roads whose proof there are only the milestones. These noticeable align an axis which seems to correspond to the road Merida (Spain), with which intersectaria Olissipo Shut-Bracara bond, the other two poles very influential. Perhaps for that reason may be justified building the octagonal defensive structure, two kilometers perimeter - the Cava de Viriato.

Viseu is associated with Viriato figure, since it is thought that this Lusitanian hero may have been born in this region. After the Roman occupation of the peninsula, followed by the elevation of the city and diocesan already Visigoth domain in the 6th century

Even before the formation of the Portuguese Province, was several times residence of the counts Teresa and Henry, in 1123 it granted a charter. His son D. Afonso Henriques born in Viseu on 5 August de1109, according thesis of historian Almeida Fernandes. The second charter was granted by the son of the counts, D. Afonso Henriques in 1187, and confirmed by D. Afonso II, in 1217.

 

viseu_viseu.jpg

 

Seia - Located on the western side of the Serra da Estrela, the city is 550 m altitude. The climate of the county is temperate with moderate temperatures in summer and cold in winter, with freezing temperatures and snow events, sometimes abundant in the higher parts of the Serra da Estrela. As for the rainfall regime, there is a short dry season, which includes the summer months of July and August.

The early human occupation of the site of the current Seia dates back to pre-Roman times, when the foundation of a village by Turduli, around the 4th century BC, known as Senna. The Turduli built a castro instead of Nogueira, among the mountains of Santana and Carvalha Outeiro. Defended themselves strategically in three forts, smaller, one in San Romao, another in Crestelo and the third in the current Seia. There are also remains of forts in Travancinha, Loriga and S. Romão.

When it was found the Roman invasion of the Iberian Peninsula, the Lusitano made of the mountain, then called Hermínios Montes, its headquarters, which has become a major obstacle to the invaders. This did not stop, however, that the general Galba had slaughtered 30,000 mountaineers Lusitanian.

 

seia.jpg

 

Piódão (Historical Village) - The Piodão "Nativity of the Hawk", village classified as "Public Interest", located in the Serra do ACOR, with an abrupt escarpment deployment and a tight mesh and sinuous structure, well suited the roughness of the surrounding area. Pastures of the Sierra de S. Pedro of Acor, full of springs, attracted the Lusitanian shepherds fed their flocks there. In medieval times, formed a small settlement that was given the name Piódam home, then moved to its present location, perhaps due to the installation of a Cistercian Monastery (which remain no longer traces) which will revamp the place to the 13th century In this monastery can be linked to ancient invocation of Santa Maria (common in Cistercian Abbeys) Mother Church temple redesigned in the 18th century, which has endowed him of a curious facade marked by thin cylindrical towers topped by cones.

 

piodao-portuguese-historic.jpg

 

Arganil - Arganil is a delightful town, the county seat, in central Portugal, located in a mountainous region of great beauty, fertile vegetation and water courses.

The region has traces of Roman occupation since ancient times; there remains the permanence of primitive peoples in this region, as the Necropolis of Windmills, the Chalcolithic period, or the Roman Military Camp of Lomba do Canho.

The Heritage Arganil goes hand in hand with the history and beauty of the village, the owner of an enviable Historical Center, highlighting monuments such as the Mother Church, the Church of Mercy Chapel of the Lord of the Agony or the Pelourinho Vila.

About 2 km from the center, lays the Sanctuary of Our Lady of Mount Alto dating from the 16th century, 500 meters high, celebrating in the 15 August a famous pilgrimage that attracts many visitors.

Surrounding the village of Arganil, are small traditional mountain villages that are worth knowing, located on the slopes and valleys of the beautiful hills of the region, as Vila Cova de Alva, Benfeita (integrated in the network "Schist Villages"), Coja, Malhada Chã, Barriosa  or the magnificent Piodão Village, one of the most beautiful in the country.

 

arganil.jpeg

 

Lousa (Schist Villages Network) - Lousã, an idea that stands out immediately is the fact that it might be a mountain sector and of great natural wealth. Protrudes so highlighted the fact that the main physical features of the municipality reflect, in an almost directly, the major structural lines defining, has long been the morphology of its territory, and that influenced the very human occupation in the region over the last centuries.

The Serra da Lousã and the Schist Villages are a rich and varied heritage / built and existing natural.

The Network of Schist Villages comprises 27 villages of 16 municipalities that are located in the center of Portugal, in the territory that lies between Castelo Branco and Coimbra. It is a territory consists mainly of shale mountains, surrounded and crossed by a good road network.

But just say this is too little. The mountains offer stones forming part of the identity of the area. With the stones became its history, but they made a future project. Villages that were in ruin, to disappear, gave an award winning tourist destination. It is something unique and remarkable for having done so in the most disadvantaged areas of the country.

People give us affection. The raw material of good host. Sympathetically. With comfort. Tastefully. With flavors. With a challenge. Discover the Schist Villages is to give and receive a word of meeting its inhabitants. If you give a few more conversation, will receive in exchange a life story.

 

lousa.jpg

 

Tomar - town on the banks of the river Nabão, belonging to the Santarém district in the province of Ribatejo, was conquered from the Moors by D. Afonso Henriques in 1147 after being donated by the King to the Templars in 1159. The March 1, 1160 was established Take on the start of construction of the castle. D Gualdim Pais granted it a charter in 1162.

With the extinction of the Temple in 1312 by order of Pope Clement V, who wanted to see the Templars banned in Europe, was founded the Order of Christ Military. Because of the need to defend the Algarve border, the headquarters of this Order moved to Castro Marim. Thirty-seven years later, he returned to settle in Tomar specifically in his castle.

So take would be the originator center and main supporter of the Discoveries. Prince Henry, appointed by the Pope as Regedor the Order of Christ, was to settle in the Castle of Tomar.

It was elevated to city status in 1844 and was visited by Queen Maria II the following year.

 

Convento de Cristo_tomar.jpg

 

GASTRONOMY

 

Castelo Branco

- Laburdo

- Fry

- Stew kid

- Tripe stuffed

 

Guarda

- Serra cheese

- Grain soup

- Black pudding

- Sausages

- Maranhos

- Roast lamb

- Serrabulho fashion Border

- Ranch Seia

- Tijelada (sweet)

 

Viseu

- Kid's Grelheira

- Beira Alta Mace

- Veal Lafões

- Rancho de Viseu

 

WINES

 

Wine Region of Beira Interior

It is the most mountainous region of mainland Portugal, comprising some of the highest mountains of Portugal.

The climate suffers from an extreme continental influence, with major temperature variations, short, hot, dry summers, and long and very cold winters.

The soils are mostly granite, with small patches of shale and although unusual, sandy spots.

The Beira Interior is divided into three sub-regions, Castelo Rodrigo, Pinhel and Cova da Beira. Castelo Rodrigo and Pinhel, despite being separated by mountain ranges, share similar features.

In turn, the Cova da Beira presents different, extending from the foothills of the Serra da Estrela to the Tagus valley, south of Castelo Branco

The predominant white varieties are Arinto, Source Cal, Malvasia Fina, Tail Sheep and Syria, while in red prevail Bastard, Marufo, Rufete, Tinta Roriz and Touriga Nacional, with regular presence of very old vines.

 

vinhos_beira_inter.jpg

 

Wine Region Dão and Lafões

Surrounded by mountains in all directions, based on very poor granitic soils, the region Dão extends its vineyards scattered among pine forests at different altitudes, from the 1000 meters of Serra da Estrela up to 200 meters from low areas.

The vineyards are scattered and discontinuous, divided into multiple installments, with properties averaging areas almost negligible.

The mountains determine and shape the climate of the region containing the vineyards of the direct influence of the continental climate and the maritime influence. Poor soils are mostly granite.

In the white varieties protrude beyond the Encruzado, the Bical varieties, Cercial, Malvasia Fina, Tail Sheep and Verdelho. In the red varieties, apart from Touriga Nacional, we point out the Alfrocheiro, Jaen and Tinta Roriz, beyond undervalued Berry, Bastard and Ink apple.

Lafões is a small transition region, nestled between the names of Dão and Vinho Verde, cut by the river Vouga, with mostly granitic soils.

In the white varieties thrive Arinto, Cerceal, Dona Branca, Distemper Dog and Tail Sheep, with the reds dominated by caste Amaral and Jaen. As a rule, Lafões wines show a penchant acidic, with a style similar to the neighboring name Vinho Verde

vinhos dao_lafoes.jpg

 

more information: turiventos@sapo.pt

 

Post by: Turiventos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:32

circuito cenro interior.jpg

Circuito centro pontos.jpg

 

Circuito: Centro – Interior histórico - Portugal

 

Distancia – 1.000 kms.  Dificuldade – Média. Circuito – Urbano/Serra Duração8 dias

 

Castelo de Almourol - O castelo de Almourol, está situado numa pequena ilha que já era habitada no tempo da ocupação romana da península, a partir do século VIII, foi ocupada pelos muçulmanos, que a terão conquistado aos visigodos.  No âmbito da reconquista cristã da Península Ibérica, Almourol foi conquistada por D. Afonso Henriques, em 1129, que o entregou à Ordem do Templo.

Castelo Almoural

 Castelo de Almoural

 

Castelo Branco - Situada na Beira Baixa, a cidade de Castelo Branco é sede de distrito e de um dos maiores concelhos do País, no centro de uma vasta região planáltica, entre as bacias dos rios Pônsul e O

cresa. 
Castelo Branco deve o seu nome à existência de um castro luso-romano, Castra Leuca, no cimo da Colina da Cardosa, de onde se desenrolou o povoamento desta localidade, então apelidada Albi Castrum. 
A cidade foi conquistada aos Mouros no século XII, e posteriormente alguns domínios foram ofertados à Ordem do Templo, encarregando-os do seu povoamento e defesa, para o que construíram o Castelo da localidade.

Cast._Branco_-_Jardim_do_Paço_Episcopal.jpg

 Jardim Paço Episcopal - Castelo Branco

 

Monsanto (Aldeia Histórica) – Monsanto (Aldeia mais portuguesa de Portugal) situa-se a nordeste das Terras de Idanha, aninhada na encosta de uma elevação escarpada - o cabeço de Monsanto (Mons Sanctus) - que irrompe abruptamente na campina e que, no seu ponto mais elevado, atinge 758 metros. Pelas várias vertentes da encosta e no sopé do monte, existem lugarejos dispersos, atestando a deslocação populacional em direção à planície.

Trata-se de um local muito antigo, onde se regista a presença humana desde o paleolítico. Vestígios arqueológicos dão conta de um castro lusitano e da ocupação romana no denominado campo de S. Lourenço, no sopé do monte. Vestígios da permanência visigótica e árabe foram também encontrados.

Covilhã – A cidade da Covilhã está situada na vertente sudeste da Serra da Estrela e é um dos centros urbanos de maior relevo da região.

O ponto mais alto de Portugal Continental, a Torre (1 993 m), pertence às freguesias de Unhais da Serra (Covilhã), São Pedro (Manteigas), Loriga (Seia) e Alvoco da Serra (Seia), estando incluída em três municípios: Covilhã, Manteigas e Seia, mas dista cerca de 20 km do núcleo urbano da Covilhã, sendo a Covilhã, por isso, a cidade portuguesa mais próxima do ponto mais alto de Portugal Continental.

 

covilhã.jpg

Cidade da Covilha

 

Belmonte (Aldeia Histórica) – A história de Belmonte surge, normalmente, associada à história dos Cabrais e dos Judeus. Foi terra natal de Pedro Álvares Cabral, o navegador, que no ano de 1500 comandou a segunda armada à India, durante a qual se descobriu oficialmente o Brasil.

A presença humana no atual concelho de Belmonte está comprovada desde as épocas mais remotas. A Anta de Caria, os Castros de Caria e da Chandeirinha certificam a longevidade da fixação na pré e proto-história. A presença romana é também evidente pelos testemunhos da Torre Centum Cellas ou pela Villa da Quinta da Fórnea, pontos de passagem da via que ligava Mérida à Guarda.

 

belmonte.jpeg

Belmonte 

 

Guarda – Nos primeiros séculos da romanização da Península Ibérica habitavam a região da Guarda povos lusitanos. Entre os quais os Igaeditani, os Lancienses Oppidani e os Transcudani. Estes povos unidos sob uma autentica federação viriam a resistir à romanização durante dois séculos. Ao contrário dos latinizados estes povos não consumiam vinho, mas antes cerveja de bolota. A sua arma de eleição era a falcata- uma espada curva - que facilmente quebrava os gládios romanos devido à sua superioridade metalúrgica. Os seus deuses pagãos diferiam também dos romanos, podem ainda hoje encontrar-se algumas inscrições religiosas lusitanas em santuários como o Cabeço das Fráguas.

A explicação mais conhecida e consensual do significado do epíteto de «cidade dos 5 F's» diz que estes significam Forte, Farta,  Fria,  Fiel e Formosa. A explicação destes efes tão adaptada posteriormente a outras cidades é simples:

Forte: a torre do castelo, as muralhas e a posição geográfica demonstram a sua força; Farta: devido à riqueza do vale do Mondego; Fria: a proximidade à Serra da Estrela e o facto de estar situada a uma grande altitude explicam este F; Fiel: porque Álvaro Gil Cabral – que foi Alcaide-Mor do Castelo da Guarda e trisavô de Pedro Álvares Cabral – recusou entregar as chaves da cidade ao Rei de Castela durante a crise de 1383-85. Teve ainda Fôlego para combater na batalha de Aljubarrota e tomar assento nas Cortes de 1385 onde elegeu o Mestre de Avis (D. João I) como Rei; Formosa: pela sua natural beleza.

 

guarda.jpg1

 Sé Guarda

 

Almeida (Aldeia Histórica) – Também conhecida por “Estrela de Pedra”, Almeida localiza-se no distrito da Guarda, região da Beira Interior, mais concretamente num território designado Terras de Riba-Côa. O seu carácter fronteiriço é bastante notório, uma vez que toda a sua confrontação a leste é com Espanha, constituindo parte da fronteira Portugal -Espanha, mais conhecida por Raia, sendo por isso esta zona também chamada "região arraiana".

Recebeu foral de D. Dinis em 1296.

A toponímia tem tradução literal do árabe: «Terra Plana», o que faz perfeito sentido visto que o território do concelho é em grande parte zona planáltica. Atravessando o concelho de sul para norte, e sendo um dos poucos rios portugueses que corre neste sentido, o rio Côa abre um abrupto vale nessa meseta, dividindo o município em duas partes bem vincadas.

 

almeida-estrela.gif

Almeida

 

Castelo Rodrigo (Aldeia Histórica) – Conhecida por “Fortaleza dos Torreões”, o território de Riba-Côa foi ocupado desde tempos remotos, havendo vestígios paleolíticos, megalíticos, da cultura castreja, romanos e árabes. A preocupação com a reorganização e povoamento desta área na época da Reconquista é patente nas doações aos freires Salamantinos, fundadores da Ordem de S. Julião do Pereiro, e aos primeiros frades de Santa Maria de Aguiar, oriundos de Zamora, de que o Mosteiro de Santa Maria de Aguiar, de fundação cisterciense do séc. XII, é importante testemunho.

Conquistada aos Árabes no séc. XI e dependente do Reino de Leão, foi vila elevada a concelho por Afonso IX, integrando definitivamente o território português a 12 de Setembro de 1297, pelo Tratado de Alcanizes - assinado por D. Dinis, que confirmou o seu Foral em Trancoso e mandou repovoar e reconstruir o Castelo, ação repetida por D. Fernando I, que também lhe concedeu Carta de Feira, em 1373.

Castelo Rodrigo está rodeado por uma cintura amuralhada inicialmente composta por 13 torreões (à semelhança de Ávila). Mantém a sua traça medieval, que irradia da alcáçova e acompanha a topografia. Pelas suas ruas encontram-se casas interessantes, umas manuelinas, outras construções árabes.
Estando na rota de peregrinos a Compostela, aqui se ergueu a Igreja de N. Sra. de Rocamador, fundada por uma confraria de frades hospitaleiros vindos de França no séc. XIII.

 

castelorodrigo.jpg

 Panoramica de Castelo Rodrigo

 

Trancoso (Aldeia Histórica) – Localizado no topo de um planalto, de onde se avista um vasto território entre a serra da Estrela e o vale do Douro, Trancoso desenvolveu-se em torno do seu castelo, fundado nos sécs. VIII-IX. 
Ao longo de toda a Idade Média, foi um lugar estratégico-militar extremamente importante, instalado numa região de fronteira instável, onde ocorreram vários conflitos e batalhas, primeiro entre cristãos e muçulmanos e, mais tarde, entre Portugal e os reinos vizinhos.

Com Foral outorgado por D. Afonso Henriques (1162-65), nos primórdios da nacionalidade, Trancoso era já uma das principais povoações da região. Seria, também, um relevante centro mercantil, onde a partir de D. Afonso III (1273) se passou a realizar uma das mais antigas e concorridas feiras francas do reino, perpetuada nos nossos dias pela afamada Feira de S. Bartolomeu

A origem do nome "Trancoso" motiva hoje em dia a especulação e a imaginação. Existem pelo menos duas explicações, ambas de pendor mitológico. Tais explicações, contudo, poderão não ser tão fantasiosas como à partida seríamos levados a pensar. Uma destas explicações refere que o nome deriva de "troncoso", ou seja, o nome ficaria a dever-se ao facto de existirem árvores de grande porte na região em que a cidade foi fundada. O segundo, que foi considerado por Charles Joly (1818-1902), em 1893, uma das maiores árvores da Europa, já não existe, mas ainda hoje é possível observar árvores impressionantes como a "Tília Grande de Trancoso". Outra explicação, que específica concretamente um ato de fundação, um pouco à semelhança de Roma (cf. Fundação de Roma), refere que a cidade terá sido fundada por um emissário vindo do Egipto ou da Etiópia. O nome do emissário seria Awseya Tarakos, que mais tarde viria a ser rei da Etiópia, da dinastia salomónica. Existem, também, outras cidades europeias cujos nomes têm algumas semelhanças com Trancoso, podendo haver alguma relação entre eles (TarragonaTarascon, etc.). Em Portugal, atualmente, é possível encontrar a designação Trancoso para outras localidades e lugares. Existe, ainda, um rio no norte de Portugal, afluente do rio Minho, que tem esse nome.

 

trancoso.jpg

Trancoso

 

Viseu – As origens da cidade de Viseu remontam à época castreja e, com a Romanização, ganhou grande importância, quiçá devido ao entroncamento de estradas romanas de cuja prova restam apenas os miliários. Estes miliários alinham-se num eixo que parece corresponder à estrada de Mérida (Espanha), que se intersectaria com a ligação Olissipo-Cale-Bracara, outros dois pólos bastante influentes. Talvez por esse motivo se possa justificar a edificação da estrutura defensiva octogonal, de dois quilómetros de perímetro — a Cava de Viriato.

Viseu está associada à figura de Viriato, já que se pensa que este herói lusitano tenha talvez nascido nesta região. Depois da ocupação romana na península, seguiu-se a elevação da cidade a sede de diocese, já em domínio visigótico, no século VI.

Mesmo antes da formação do Condado Portucalense, Viseu foi várias vezes residência dos condes D. Teresa e D. Henrique que, em 1123 lhe concedem um foral. Seu filho D. Afonso Henriques terá nascido em Viseu a 5 de Agosto de1109, segundo tese do historiador Almeida Fernandes. O segundo foral foi-lhe concedido pelo filho dos condes,  D. Afonso Henriques, em 1187, e confirmado por D. Afonso II, em 1217.

 

viseu_viseu.jpg

Monumento a Viriato - Viseu

 

Seia – Situada na vertente ocidental da serra da Estrela, a cidade de Seia fica a 550 m de altitude. O clima do concelho é temperado, com temperaturas moderadas no Verão e frio no Inverno, com temperaturas muito baixas e ocorrências de neve, por vezes abundantes, nas partes mais elevadas da Serra da Estrela. Quanto ao regime de precipitações, há uma pequena estação seca, que compreende os meses de Verão de Julho e Agosto.

A primitiva ocupação humana do local da actual Seia remonta à época pré-romana, quando da fundação de uma povoação pelos Túrdulos, por volta do século IV a.C., denominada como Senna. Os Túrdulos edificaram um castro no lugar de Nogueira, entre os montes de Santana e de Carvalha do Outeiro. Defendiam-no estrategicamente três castros, mais pequenos, um em S. Romão, outro em Crestelo e o terceiro na actual Seia. Existem ainda restos de castros em Travancinha, Loriga e S. Romão.

Quando a se verificou a Invasão romana da Península Ibérica, os Lusitanos fizeram da serra, então chamada Montes Hermínios, o seu quartel-general, que se tornou um forte obstáculo para os invasores. Isto não impediu, no entanto, que o general Galba massacrasse 30.000 montanheses lusitanos.

 

seia.jpg

 Seia

 

Piódão (Aldeia Histórica) – O Piódão “Presépio do Açor”, aldeia classificada como "Imóvel de Interesse Público", localiza-se na Serra do Açôr, com uma implantação de escarpa abrupta e uma estrutura de malha cerrada e traçado sinuoso, bem adaptada à rugosidade do espaço envolvente. As pastagens da Serra de S. Pedro do Açor, recheada de nascentes, atraíram os pastores lusitanos que ali alimentaram os seus rebanhos. Na época medieval, formou-se um pequeno povoado a que foi dado o nome de Casas Piódam, depois transferido para a atual localização, talvez devido à instalação de um Mosteiro de Cister (de que já não restam vestígios) o que fará remontar o lugar ao séc. XIII. A este mosteiro poderá estar ligada a antiga invocação de Santa Maria (comum nas Abadias Cistercienses) da Igreja Matriz templo reformulado no séc. XVIII/XIX, o que o dotou duma curiosa fachada pautada por finas torres cilíndricas rematadas por cones.

 

piodao-portuguese-historic.jpg

 Panoramica de Piódao

 

Arganil – Arganil é uma lindíssima vila, sede de concelho, do Centro de Portugal, situada numa região serrana de grande beleza, de fértil vegetação e abundantes cursos de água.

A região apresenta vestígios de ocupação romana desde tempos bem remotos, existindo vestígios da permanência dos povos primitivos nesta região, como a Necrópole dos Moinhos de Vento, do período Calcolítico, ou o Acampamento Militar Romano da Lomba do Canho.

O Património de Arganil caminha de mãos dadas com a história e beleza da vila, dona de um invejável Centro Histórico, destacando-se monumentos como a Capela de São Pedro, a Igreja da Misericórdia, a Capela do Senhor da Agonia, ou o Pelourinho da Vila.

A cerca de 2 km do centro, situa-se o Santuário de Nossa Senhora do Monte Alto datado do século XVI,  a 500 metros de altitude, celebrando-se no dia 15 de Agosto uma célebre Romaria que atrai inúmeros visitantes.

Circundando a vila de Arganil, encontram-se pequenas aldeias serranas tradicionais que vale a pena conhecer, situadas nas encostas e vales das bonitas serranias da região, como Vila Cova de Alva, Benfeita (integrada na rede “Aldeias de Xisto”), Coja, Malhada Chã, Barriosa ou a magnífica Aldeia de Piódão, uma das mais bonitas do País.

arganil.jpeg

 Vista de Arganil


Lousã (Rede de Aldeias de Xisto) –  Município da Lousã, uma ideia que ressalta de imediato, é o facto de se estar perante um sector de montanha e de grande riqueza natural. Sai assim realçado o facto de os principais traços físicos do Município reflectirem, de uma forma quase directa, as grandes linhas estruturais que definem, desde há muito, a morfologia do seu território, e que influenciaram a própria ocupação humana na região, ao longo dos últimos séculos.

A Serra da Lousã e as Aldeias de Xisto, são um rico e variado património histórico/edificado e natural existente.

A Rede das Aldeias do Xisto integra 27 aldeias de 16 concelhos que se situam no centro de Portugal, no território que se situa entre Castelo Branco e Coimbra. É um território essencialmente constituído por montanhas de xisto, circundado e atravessado por uma boa rede rodoviária.

Mas dizer só isto é muito pouco. As montanhas oferecem pedras que fazem parte da identidade do território. Com as pedras se fez a sua história, mas com elas se fez um projeto de futuro. Aldeias que estavam em ruína, a desaparecer, originaram um destino turístico premiado. É algo único e notável, por ter surgido num dos territórios mais desfavorecidos do interior do país.

As pessoas dão-nos afetos. A matéria prima do bom acolhimento. Com simpatia. Com conforto. Com bom gosto. Com sabores. Com um desafio. Descobrir as Aldeias do Xisto é dar e receber uma palavra de cumprimento dos seus habitantes. Se der mais umas quantas de conversa, receberá em troca uma história de vida.

 

lousa.jpg

 Lousa

 

Tomar –  Cidade localizada nas margens do rio Nabão, pertencente ao distrito de Santarém na província do Ribatejo, foi conquistada ao Mouros por D. Afonso Henriques em 1147 sendo depois doada por este monarca aos Templários em 1159. A 1 de março de 1160 foi fundada Tomar com o início da construção do castelo. D Gualdim Pais concedeu-lhe foral em 1162.

Com a extinção da Ordem do Templo em 1312 por decisão do Papa Clemente V, que queria ver os templários banidos da Europa, foi fundada a Ordem de Militar de Cristo. Devido à necessidade de defender a fronteira algarvia, a sede desta Ordem transferiu-se para Castro Marim. Trinta e sete anos depois, voltou a fixar-se em Tomar mais concretamente no seu castelo.

Assim Tomar viria a ser o centro originador e principal sustentador da epopeia dos Descobrimentos. O Infante D. Henrique, nomeado pelo Papa como Regedor da Ordem de Cristo, viria a instalar-se no castelo de Tomar.

Foi elevada à categoria de cidade em 1844, tendo sido visitada pela Rainha D. Maria II no ano seguinte.

 

Convento de Cristo_tomar.jpg

Convento de Cristo - Tomar

 

GASTRONOMIA

 

Castelo Branco

- Laburdo

- Fritada

- Ensopado cabrito

- Bucho recheado

 

Guarda

- Queijo da Serra

- Sopa de grão

- Morcelas

- Enchidos

- Maranhos

- Borrego assado

- Serrabulho a moda da Beira

- Rancho de Seia

- Tijelada (doce)

 

Viseu

- Cabrito da Grelheira

- Maça da Beira Alta

- Vitela de Lafões

- Rancho de Viseu

 

VINHOS

 

Região Vinícola da Beira Interior

É a região mais montanhosa de Portugal continental, compreendendo algumas das serras mais altas de Portugal.

O clima sofre de uma influência continental extremada, com importantes variações de temperatura, verões curtos, quentes e secos, e Invernos prolongados e muito frios.

Os solos são maioritariamente graníticos, com pequenas manchas de xisto e, embora pouco comuns, manchas arenosas.

A Beira Interior encontra-se dividida em três sub-regiões, Castelo Rodrigo, Pinhel e Cova da Beira. Castelo Rodrigo e Pinhel, apesar de se encontrarem separadas por cadeias montanhosas, partilham características semelhantes.

Por sua vez a Cova da Beira apresenta-se diferente, estendendo-se desde os contrafortes da Serra da Estrela até ao vale do Tejo, a Sul de Castelo Branco.

As castas brancas predominantes são o Arinto, Fonte Cal, Malvasia Fina, Rabo de Ovelha e Síria, enquanto nos tintos prevalecem o Bastardo, Marufo, Rufete, Tinta Roriz e Touriga Nacional, com presença regular de vinhas muito velhas.

 

vinhos_beira_inter.jpg

 

Região Vinícola Dão e Lafões

Rodeada por montanhas em todas as direcções, assente em solos graníticos muito pobres, a região do Dão estende as suas vinhas dispersas entre pinhais a diferentes altitudes, desde os 1.000 metros da Serra da Estrela até aos 200 metros das zonas mais baixas.

As vinhas são esparsas e descontínuas, divididas em múltiplas parcelas, com propriedades com áreas médias quase insignificantes.

As montanhas determinam e condicionam o clima da região, abrigando as vinhas da influência directa do clima continental e da influência marítima. Os solos pobres são maioritariamente graníticos.

Nas castas brancas salientam-se, para além do Encruzado, as variedades Bical, Cercial, Malvasia Fina, Rabo de Ovelha e Verdelho. Nas castas tintas, para além da Touriga Nacional, salientam-se o Alfrocheiro, Jaen e Tinta Roriz, para além das pouco valorizadas Baga, Bastardo e Tinta Pinheira.

Lafões é uma pequena região de transição, encravada entre as denominações do Dão e Vinho Verde, cortada pelo rio Vouga, com solos maioritariamente graníticos.

Nas castas brancas prosperam o Arinto, Cerceal, Dona Branca, Esgana Cão e Rabo de Ovelha, sendo os tintos dominados pelas castas Amaral e Jaen. Por regra, os vinhos de Lafões mostram um pendor acídulo, apresentando um estilo semelhante ao da denominação vizinha do Vinho Verde

 

vinhos dao_lafoes.jpg

 

 Mais infortmaçoes: turiventos@sapo.pt

 

Post by: Turiventos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:05

IT -Turiventos - Turismo ed Eventi

por Turiventos, em 08.02.15

 

logo turiventos peq.jpg

 

Diversi percorsi fatti a richiesta dei clienti in Portogallo e Spagna
Tour privati - Gruppi - Individual
Alberghi - Trasporto - Trasferimenti - aereo - Ristoranti - Itinerari Turistici - Organizzazione di eventi - Tour Guide
 


Track 1 - Alfama / Lisbon
Piazza del Palazzo - Belvedere Ms. Monte -. Castello di San Giorgio - Portas do Sol - Teatro Romano - Chiesa Sto. António - Cattedrale di Lisbona - Via Fado Case - Fado Museum - Casa dos Bicos
Distanza: 6 miglia. Difficoltà: Media Circuito: urbani Durata  (circa): - 4/5 ore
Nota:
Possibilità di visita al Museo del Fado;
Alla fine del percorso si può organizzare una cena in una casa di fado in Alfama.
 
Track 2 - Bairro Alto-Mouraria / Lisbona
Giardino Principe Real - Viewpoint S. Pedro Alcantara - Convento do Carmo - Largo Camoes - Teatro St. Louis - St. Charles Theatre - Chiado - Piazza Rossio - Teatro D. Maria II - Piazza Restauradores - Lisbona Colosseo - Piazza Figueira - Martim Moniz - Mouraria
Distanza: 3,5 miglia. Difficoltà: Media - Circuito: urbano / pedonale - Durata (circa): - 4/5 ore
 
Track 3 - Belém del scoperte / Lisbona
Lisbona - Museo delle Carrozze - Pastel de Belém - Monastero di Jeronimos - il Museo Marittimo - Monumento alle Scoperte - Torre di Belem - Museo Orient.
Distanza - 35 km. Difficoltà - Ages. Circuit - Urban. Durata - 1 giorno
Nota:
Circuito made in auto;
Organizzare visite seguenti posizioni:
- Museo delle Carrozze;
- Monastero di Jeronimos;
- Il Museo Marittimo;
- Torre di Belem;
- Museo Orient;
- Museo Nazionale di Arte Antica.
Organizzazione Pranzo di un tipico ristorante della zona.
 
Track 4 - Romantic Lisbona Sintra Cascais.
Lisbona - Queluz Palace - Sintra Palazzo Nazionale - Pena Palace - Castello moresco - Quinta da Regaleira - Azenhas do Mar - Cabo da Roca - Guincho - Bocca dell'Inferno - Cascais - Estoril
Distanza - 100 miglia. Difficoltà - Ages. Circuit - Serra / marzo Durata - 1 giorno
Nota:
Circuito made in auto;
Organizzare visite seguenti posizioni:
- Queluz National Palace;
- Pena Palace;
- Quinta da Regaleira;
Pranzo zona Organizzazione Guincho.
 
Track 5 - Tour Pellegrini - Fatima
Lisbona - Santuario di Fatima - Monastero di Batalha - Monastero di Alcobaça - Rio Maior
Distanza - 270 miglia. Difficoltà - Ages. Circuit - Urban. Durata - 1 giorno
Nota:
Circuito made in auto;
Organizzare visite seguenti posizioni:
- Santuario di Fatima;
- Monastero di Batalha;
- Monastero di Alcobaça.
Pranzo Organizzazione


Track 6 - Tour della costa - Obidos
Lisbona - Mafra Palazzo - Óbidos - Peniche - Ericeira
Distanza - 240 miglia. Difficoltà - Ages. Circuit - Urban. Durata - 1 giorno
Nota:
Circuito made in auto;
Organizzare visite seguenti posizioni:
- Mafra National Palace;
- Óbidos.
Pranzo Organizzazione
 
Track 7 - Tour Arrábida
Lisbona - Cristo Re - Fregata / Cacilhas - Lagoa Albufeira - Cape Espichel - Arrábida - Sesimbra - Grotte di J. Maria Fonseca - Azeitão
Distanza - 150 miglia. Difficoltà - Ages. Circuit - Urban. Durata - 1 giorno
Nota:
Circuito made in auto;
Organizzare visite seguenti posizioni:
- Santuario di Cristo Re;
- Ferdinand fregata e gloria;
- Degustazione di vini José Maria Fonseca - Azeitao.
Pranzo Organizzazione
 
Traack 8 - Tour Evora
Lisbona - Evora - Sta.Clara Convento - Giraldo Square - Cappella Ossa - Tempio di Diana - Escoural
Distanza - 270 miglia. Difficoltà - Ages. Circuit - Urban. Durata - 1 giorno
Nota:
Circuito made in auto;
Organizzare visite seguenti posizioni:
- Cattedrale di Évora;
- Chapel of Bones;
Pranzo Organizzazione
 
Track 9 - Circuito Nord
Lisbona - Fatima - Coimbra - Guimaraes - Braga - Delhi - Porto - Aveiro - Nazareth - Mafra - Lisbona
Distanza - 1.000 miglia. Difficoltà - Ages. Circuit - Urban. Durata - 7 giorni
Nota:
Circuito made in auto / mini-bus;
Organizzazione di visite in loco:
Alloggio - pasti.
 
Track 10 - Alentejo Circuit
Lisbona - Alcacer do Sal - Grandola - Ferreira do Alentejo - Beja - Serpa - Moura - Alqueva - Reguengos Monsaraz - Vila Viçosa - Estremoz - Arraiolos- Evora - Escoural - Lisbona
Distanza - 1.000 miglia. Difficoltà - Ages. Circuit - Urban. Durata - 7 giorni
Nota:
Circuito made in auto / mini-bus;
Organizzare visite in loco, vini e oli di oliva:
Alloggio - pasti.


Richiedi informazioni: turiventos@sapo.pt
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:34


Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D