Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Organizar o casamento ideal

por Turiventos, em 25.01.16

 

Organizar o casamento ideal

(ou outro evento)

 

Alianças.jpg

 

 

Namora e vai fazer o pedido de noivado ?

Está noivo e quer organizar o casamento ideal ?

È casado e quer comemorar as bodas de casamento ?

Tem filhos e quer o organizar o batizado ?

Então este artigo vai fazer com que tudo corra como sonha.

A organização de qualquer um destes eventos tem de ser único e memorável. Deixamos aqui algumas dicas, para o qual devem estar atentos.

Há primeira vista parece uma complicação com muitas coisas a planear, para que tudo corra, como sempre sonhou. Mas vamos ajudar em nalgumas coisas importantes.

A lista que se segue está programada para um casamento, mas se está a pensar organizar o pedido de noivado (p.e. fazer uma surpresa “calculada”), comemorar as suas bodas de casamento (mais adiante falamos quais são) ou o batizado do seu filho/a, os passos são muito idênticos, talvez com carateristicas diferentes.

Por vezes, um simples erro de planeamento, pode fazer com que, aquele evento que deseja ideal, possa ficar mais complicado.

Por isso, o 1º conselho, é de que deverá ponderar, logo de inicio, se deve ou não procurar um conselheiro/coordenador do evento, que o vai ajudar a programar, com profissionalismo, todo o seu evento de sonho. No final vão ficar surpreendidos pelo facto de as despesas serem bem menores.

O 2º conselho é de que não devem organizar o vosso Evento sozinhos. Muitas coisas se vão passar nos dias que antecedem e no próprio dia, para que possam estar alertas sobre todo planeamento. Procurar a ajuda de uma pessoa próxima, poderá ajudar a melhorar, mas se não for alguém com experiencia, pode estar a colocar muita responsabilidade em cima dessa pessoa, principalmente, se algo correr mal.

O 3º conselho é que deve pensar na organização do evento com a maior antecipação. Quanto mais cedo possa ser organizado, melhores resultados obtêm.

Mas, se não for possível, tudo se organiza e será memorável.

 

DICAS PARA ALGUNS DOS PORMENORES A TER EM CONTA

 

Indumentária Noiva e do Noivo

fatos noivo.jpg

vestido noiva.jpg

 Anel de Noivado - Anéis de casamento - Vestido de Noiva - Véu/ Tiara – Sapatos – Jóias – Ligas - Roupas de baixo - Fraque do Noivo - Sapatos do Noivo – Cabeleireira/Manicura/Esteticista – Segunda indumentária dos noivos.

 

Escolha dos padrinhos da Noiva e Noivo

Escolha dos padrinhos – Damas/os de honor – (bridesmaids e groomsmen) – pajens e daminhas – jantar de ensaio – discursos – escolha da indumentária dos padrinhos, damas/os honores, pajens e daminhas.

 

Recepção (excluindo Música e Decoração)

copo agua.jpg

 Taxas de ocupação do salão – Escolha da refeição - mesas e cadeiras – alimentos – bebidas - toalhas de mesa – bolo dos noivos – disposição da sala de banquete - Pessoal e gorjetas

 

Lembranças

Serviço de buffet – Noivos – Pais - Leituras/ Outros participantes

 

Música

Músicos para a cerimónia - Banda/ DJ para a recepção

 

Decoração

Laços para bancos da igreja/ Assentos extras - Peças de centro de mesa (excluindo flores) - Velas - Iluminação - Balões

 

Flores

Bouquet  - Flores para Lapelas  - Arranjos de Flores  - Cerimónia  - Recepção

 

Fotografia

Formalidades - Imprevistos - Impressos extras - Álbum de fotografias - Filmagem

 

Papel de Carta/ Gráfica

Convites - Cartões de agradecimento - Papelaria pessoal - Livro de felicitações - Programas - Guardanapos da receção - Fósforos Especiais - Caligrafia

 

Transporte

Limusinas/ vans - Estacionamento – Táxis – transporte da noiva e do noivo.

carros convidados.jpg

 

carros noiva.jpg

 

Convidados fora do local

Reservar acomodações em um hotel para os convidados que vêm de fora. (Informe-se sobre taxas para grupos.)

Enviar os cartões de confirmação de presença. (Inclua mapas e informações de hospedagem, na medida do possível.)

Transporte de e para casamento

 

Lua-de-mel

Escolha do local para a Lua-de-Mel - Marcação da viagem

cortejo.jpg

 

Diversos

Registo Civil - Igreja - Coordenador do casamento - Festa de noivado - Despedida de Solteiro(a) – Cocktail – Lista de presentes de casamento/loja – Controle do orçamento do evento - Protocolo do casamento.

 

BODAS DE CASAMENTO

A expressão "boda" surgiu a partir do latim "vota", que significa "promessa". A boda é uma celebração típica do casamento, que faz referência a renovação dos votos matrimoniais feitos no dia do casamento.

A comemoração das "bodas de casamento" já é culturalmente tradicional no mundo ocidental

 

Comemoração dos aniversários das Bodas de Casamento


data bodas1.jpg

 Algumas das decisões que, tem de tomar, para que tudo corra como sonhou.

Caso queira tirar duvidas ou pretenda algum conselho, não hesite em contatar.

turiventos@sapo.pt

 

Publicado por: António Duro

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:24

circuito cenro interior.jpg

Circuito centro pontos.jpg

 

Circuito: Centro – Interior histórico - Portugal

 

Distancia – 1.000 kms.  Dificuldade – Média. Circuito – Urbano/Serra Duração8 dias

 

Castelo de Almourol - O castelo de Almourol, está situado numa pequena ilha que já era habitada no tempo da ocupação romana da península, a partir do século VIII, foi ocupada pelos muçulmanos, que a terão conquistado aos visigodos.  No âmbito da reconquista cristã da Península Ibérica, Almourol foi conquistada por D. Afonso Henriques, em 1129, que o entregou à Ordem do Templo.

Castelo Almoural

 Castelo de Almoural

 

Castelo Branco - Situada na Beira Baixa, a cidade de Castelo Branco é sede de distrito e de um dos maiores concelhos do País, no centro de uma vasta região planáltica, entre as bacias dos rios Pônsul e O

cresa. 
Castelo Branco deve o seu nome à existência de um castro luso-romano, Castra Leuca, no cimo da Colina da Cardosa, de onde se desenrolou o povoamento desta localidade, então apelidada Albi Castrum. 
A cidade foi conquistada aos Mouros no século XII, e posteriormente alguns domínios foram ofertados à Ordem do Templo, encarregando-os do seu povoamento e defesa, para o que construíram o Castelo da localidade.

Cast._Branco_-_Jardim_do_Paço_Episcopal.jpg

 Jardim Paço Episcopal - Castelo Branco

 

Monsanto (Aldeia Histórica) – Monsanto (Aldeia mais portuguesa de Portugal) situa-se a nordeste das Terras de Idanha, aninhada na encosta de uma elevação escarpada - o cabeço de Monsanto (Mons Sanctus) - que irrompe abruptamente na campina e que, no seu ponto mais elevado, atinge 758 metros. Pelas várias vertentes da encosta e no sopé do monte, existem lugarejos dispersos, atestando a deslocação populacional em direção à planície.

Trata-se de um local muito antigo, onde se regista a presença humana desde o paleolítico. Vestígios arqueológicos dão conta de um castro lusitano e da ocupação romana no denominado campo de S. Lourenço, no sopé do monte. Vestígios da permanência visigótica e árabe foram também encontrados.

Covilhã – A cidade da Covilhã está situada na vertente sudeste da Serra da Estrela e é um dos centros urbanos de maior relevo da região.

O ponto mais alto de Portugal Continental, a Torre (1 993 m), pertence às freguesias de Unhais da Serra (Covilhã), São Pedro (Manteigas), Loriga (Seia) e Alvoco da Serra (Seia), estando incluída em três municípios: Covilhã, Manteigas e Seia, mas dista cerca de 20 km do núcleo urbano da Covilhã, sendo a Covilhã, por isso, a cidade portuguesa mais próxima do ponto mais alto de Portugal Continental.

 

covilhã.jpg

Cidade da Covilha

 

Belmonte (Aldeia Histórica) – A história de Belmonte surge, normalmente, associada à história dos Cabrais e dos Judeus. Foi terra natal de Pedro Álvares Cabral, o navegador, que no ano de 1500 comandou a segunda armada à India, durante a qual se descobriu oficialmente o Brasil.

A presença humana no atual concelho de Belmonte está comprovada desde as épocas mais remotas. A Anta de Caria, os Castros de Caria e da Chandeirinha certificam a longevidade da fixação na pré e proto-história. A presença romana é também evidente pelos testemunhos da Torre Centum Cellas ou pela Villa da Quinta da Fórnea, pontos de passagem da via que ligava Mérida à Guarda.

 

belmonte.jpeg

Belmonte 

 

Guarda – Nos primeiros séculos da romanização da Península Ibérica habitavam a região da Guarda povos lusitanos. Entre os quais os Igaeditani, os Lancienses Oppidani e os Transcudani. Estes povos unidos sob uma autentica federação viriam a resistir à romanização durante dois séculos. Ao contrário dos latinizados estes povos não consumiam vinho, mas antes cerveja de bolota. A sua arma de eleição era a falcata- uma espada curva - que facilmente quebrava os gládios romanos devido à sua superioridade metalúrgica. Os seus deuses pagãos diferiam também dos romanos, podem ainda hoje encontrar-se algumas inscrições religiosas lusitanas em santuários como o Cabeço das Fráguas.

A explicação mais conhecida e consensual do significado do epíteto de «cidade dos 5 F's» diz que estes significam Forte, Farta,  Fria,  Fiel e Formosa. A explicação destes efes tão adaptada posteriormente a outras cidades é simples:

Forte: a torre do castelo, as muralhas e a posição geográfica demonstram a sua força; Farta: devido à riqueza do vale do Mondego; Fria: a proximidade à Serra da Estrela e o facto de estar situada a uma grande altitude explicam este F; Fiel: porque Álvaro Gil Cabral – que foi Alcaide-Mor do Castelo da Guarda e trisavô de Pedro Álvares Cabral – recusou entregar as chaves da cidade ao Rei de Castela durante a crise de 1383-85. Teve ainda Fôlego para combater na batalha de Aljubarrota e tomar assento nas Cortes de 1385 onde elegeu o Mestre de Avis (D. João I) como Rei; Formosa: pela sua natural beleza.

 

guarda.jpg1

 Sé Guarda

 

Almeida (Aldeia Histórica) – Também conhecida por “Estrela de Pedra”, Almeida localiza-se no distrito da Guarda, região da Beira Interior, mais concretamente num território designado Terras de Riba-Côa. O seu carácter fronteiriço é bastante notório, uma vez que toda a sua confrontação a leste é com Espanha, constituindo parte da fronteira Portugal -Espanha, mais conhecida por Raia, sendo por isso esta zona também chamada "região arraiana".

Recebeu foral de D. Dinis em 1296.

A toponímia tem tradução literal do árabe: «Terra Plana», o que faz perfeito sentido visto que o território do concelho é em grande parte zona planáltica. Atravessando o concelho de sul para norte, e sendo um dos poucos rios portugueses que corre neste sentido, o rio Côa abre um abrupto vale nessa meseta, dividindo o município em duas partes bem vincadas.

 

almeida-estrela.gif

Almeida

 

Castelo Rodrigo (Aldeia Histórica) – Conhecida por “Fortaleza dos Torreões”, o território de Riba-Côa foi ocupado desde tempos remotos, havendo vestígios paleolíticos, megalíticos, da cultura castreja, romanos e árabes. A preocupação com a reorganização e povoamento desta área na época da Reconquista é patente nas doações aos freires Salamantinos, fundadores da Ordem de S. Julião do Pereiro, e aos primeiros frades de Santa Maria de Aguiar, oriundos de Zamora, de que o Mosteiro de Santa Maria de Aguiar, de fundação cisterciense do séc. XII, é importante testemunho.

Conquistada aos Árabes no séc. XI e dependente do Reino de Leão, foi vila elevada a concelho por Afonso IX, integrando definitivamente o território português a 12 de Setembro de 1297, pelo Tratado de Alcanizes - assinado por D. Dinis, que confirmou o seu Foral em Trancoso e mandou repovoar e reconstruir o Castelo, ação repetida por D. Fernando I, que também lhe concedeu Carta de Feira, em 1373.

Castelo Rodrigo está rodeado por uma cintura amuralhada inicialmente composta por 13 torreões (à semelhança de Ávila). Mantém a sua traça medieval, que irradia da alcáçova e acompanha a topografia. Pelas suas ruas encontram-se casas interessantes, umas manuelinas, outras construções árabes.
Estando na rota de peregrinos a Compostela, aqui se ergueu a Igreja de N. Sra. de Rocamador, fundada por uma confraria de frades hospitaleiros vindos de França no séc. XIII.

 

castelorodrigo.jpg

 Panoramica de Castelo Rodrigo

 

Trancoso (Aldeia Histórica) – Localizado no topo de um planalto, de onde se avista um vasto território entre a serra da Estrela e o vale do Douro, Trancoso desenvolveu-se em torno do seu castelo, fundado nos sécs. VIII-IX. 
Ao longo de toda a Idade Média, foi um lugar estratégico-militar extremamente importante, instalado numa região de fronteira instável, onde ocorreram vários conflitos e batalhas, primeiro entre cristãos e muçulmanos e, mais tarde, entre Portugal e os reinos vizinhos.

Com Foral outorgado por D. Afonso Henriques (1162-65), nos primórdios da nacionalidade, Trancoso era já uma das principais povoações da região. Seria, também, um relevante centro mercantil, onde a partir de D. Afonso III (1273) se passou a realizar uma das mais antigas e concorridas feiras francas do reino, perpetuada nos nossos dias pela afamada Feira de S. Bartolomeu

A origem do nome "Trancoso" motiva hoje em dia a especulação e a imaginação. Existem pelo menos duas explicações, ambas de pendor mitológico. Tais explicações, contudo, poderão não ser tão fantasiosas como à partida seríamos levados a pensar. Uma destas explicações refere que o nome deriva de "troncoso", ou seja, o nome ficaria a dever-se ao facto de existirem árvores de grande porte na região em que a cidade foi fundada. O segundo, que foi considerado por Charles Joly (1818-1902), em 1893, uma das maiores árvores da Europa, já não existe, mas ainda hoje é possível observar árvores impressionantes como a "Tília Grande de Trancoso". Outra explicação, que específica concretamente um ato de fundação, um pouco à semelhança de Roma (cf. Fundação de Roma), refere que a cidade terá sido fundada por um emissário vindo do Egipto ou da Etiópia. O nome do emissário seria Awseya Tarakos, que mais tarde viria a ser rei da Etiópia, da dinastia salomónica. Existem, também, outras cidades europeias cujos nomes têm algumas semelhanças com Trancoso, podendo haver alguma relação entre eles (TarragonaTarascon, etc.). Em Portugal, atualmente, é possível encontrar a designação Trancoso para outras localidades e lugares. Existe, ainda, um rio no norte de Portugal, afluente do rio Minho, que tem esse nome.

 

trancoso.jpg

Trancoso

 

Viseu – As origens da cidade de Viseu remontam à época castreja e, com a Romanização, ganhou grande importância, quiçá devido ao entroncamento de estradas romanas de cuja prova restam apenas os miliários. Estes miliários alinham-se num eixo que parece corresponder à estrada de Mérida (Espanha), que se intersectaria com a ligação Olissipo-Cale-Bracara, outros dois pólos bastante influentes. Talvez por esse motivo se possa justificar a edificação da estrutura defensiva octogonal, de dois quilómetros de perímetro — a Cava de Viriato.

Viseu está associada à figura de Viriato, já que se pensa que este herói lusitano tenha talvez nascido nesta região. Depois da ocupação romana na península, seguiu-se a elevação da cidade a sede de diocese, já em domínio visigótico, no século VI.

Mesmo antes da formação do Condado Portucalense, Viseu foi várias vezes residência dos condes D. Teresa e D. Henrique que, em 1123 lhe concedem um foral. Seu filho D. Afonso Henriques terá nascido em Viseu a 5 de Agosto de1109, segundo tese do historiador Almeida Fernandes. O segundo foral foi-lhe concedido pelo filho dos condes,  D. Afonso Henriques, em 1187, e confirmado por D. Afonso II, em 1217.

 

viseu_viseu.jpg

Monumento a Viriato - Viseu

 

Seia – Situada na vertente ocidental da serra da Estrela, a cidade de Seia fica a 550 m de altitude. O clima do concelho é temperado, com temperaturas moderadas no Verão e frio no Inverno, com temperaturas muito baixas e ocorrências de neve, por vezes abundantes, nas partes mais elevadas da Serra da Estrela. Quanto ao regime de precipitações, há uma pequena estação seca, que compreende os meses de Verão de Julho e Agosto.

A primitiva ocupação humana do local da actual Seia remonta à época pré-romana, quando da fundação de uma povoação pelos Túrdulos, por volta do século IV a.C., denominada como Senna. Os Túrdulos edificaram um castro no lugar de Nogueira, entre os montes de Santana e de Carvalha do Outeiro. Defendiam-no estrategicamente três castros, mais pequenos, um em S. Romão, outro em Crestelo e o terceiro na actual Seia. Existem ainda restos de castros em Travancinha, Loriga e S. Romão.

Quando a se verificou a Invasão romana da Península Ibérica, os Lusitanos fizeram da serra, então chamada Montes Hermínios, o seu quartel-general, que se tornou um forte obstáculo para os invasores. Isto não impediu, no entanto, que o general Galba massacrasse 30.000 montanheses lusitanos.

 

seia.jpg

 Seia

 

Piódão (Aldeia Histórica) – O Piódão “Presépio do Açor”, aldeia classificada como "Imóvel de Interesse Público", localiza-se na Serra do Açôr, com uma implantação de escarpa abrupta e uma estrutura de malha cerrada e traçado sinuoso, bem adaptada à rugosidade do espaço envolvente. As pastagens da Serra de S. Pedro do Açor, recheada de nascentes, atraíram os pastores lusitanos que ali alimentaram os seus rebanhos. Na época medieval, formou-se um pequeno povoado a que foi dado o nome de Casas Piódam, depois transferido para a atual localização, talvez devido à instalação de um Mosteiro de Cister (de que já não restam vestígios) o que fará remontar o lugar ao séc. XIII. A este mosteiro poderá estar ligada a antiga invocação de Santa Maria (comum nas Abadias Cistercienses) da Igreja Matriz templo reformulado no séc. XVIII/XIX, o que o dotou duma curiosa fachada pautada por finas torres cilíndricas rematadas por cones.

 

piodao-portuguese-historic.jpg

 Panoramica de Piódao

 

Arganil – Arganil é uma lindíssima vila, sede de concelho, do Centro de Portugal, situada numa região serrana de grande beleza, de fértil vegetação e abundantes cursos de água.

A região apresenta vestígios de ocupação romana desde tempos bem remotos, existindo vestígios da permanência dos povos primitivos nesta região, como a Necrópole dos Moinhos de Vento, do período Calcolítico, ou o Acampamento Militar Romano da Lomba do Canho.

O Património de Arganil caminha de mãos dadas com a história e beleza da vila, dona de um invejável Centro Histórico, destacando-se monumentos como a Capela de São Pedro, a Igreja da Misericórdia, a Capela do Senhor da Agonia, ou o Pelourinho da Vila.

A cerca de 2 km do centro, situa-se o Santuário de Nossa Senhora do Monte Alto datado do século XVI,  a 500 metros de altitude, celebrando-se no dia 15 de Agosto uma célebre Romaria que atrai inúmeros visitantes.

Circundando a vila de Arganil, encontram-se pequenas aldeias serranas tradicionais que vale a pena conhecer, situadas nas encostas e vales das bonitas serranias da região, como Vila Cova de Alva, Benfeita (integrada na rede “Aldeias de Xisto”), Coja, Malhada Chã, Barriosa ou a magnífica Aldeia de Piódão, uma das mais bonitas do País.

arganil.jpeg

 Vista de Arganil


Lousã (Rede de Aldeias de Xisto) –  Município da Lousã, uma ideia que ressalta de imediato, é o facto de se estar perante um sector de montanha e de grande riqueza natural. Sai assim realçado o facto de os principais traços físicos do Município reflectirem, de uma forma quase directa, as grandes linhas estruturais que definem, desde há muito, a morfologia do seu território, e que influenciaram a própria ocupação humana na região, ao longo dos últimos séculos.

A Serra da Lousã e as Aldeias de Xisto, são um rico e variado património histórico/edificado e natural existente.

A Rede das Aldeias do Xisto integra 27 aldeias de 16 concelhos que se situam no centro de Portugal, no território que se situa entre Castelo Branco e Coimbra. É um território essencialmente constituído por montanhas de xisto, circundado e atravessado por uma boa rede rodoviária.

Mas dizer só isto é muito pouco. As montanhas oferecem pedras que fazem parte da identidade do território. Com as pedras se fez a sua história, mas com elas se fez um projeto de futuro. Aldeias que estavam em ruína, a desaparecer, originaram um destino turístico premiado. É algo único e notável, por ter surgido num dos territórios mais desfavorecidos do interior do país.

As pessoas dão-nos afetos. A matéria prima do bom acolhimento. Com simpatia. Com conforto. Com bom gosto. Com sabores. Com um desafio. Descobrir as Aldeias do Xisto é dar e receber uma palavra de cumprimento dos seus habitantes. Se der mais umas quantas de conversa, receberá em troca uma história de vida.

 

lousa.jpg

 Lousa

 

Tomar –  Cidade localizada nas margens do rio Nabão, pertencente ao distrito de Santarém na província do Ribatejo, foi conquistada ao Mouros por D. Afonso Henriques em 1147 sendo depois doada por este monarca aos Templários em 1159. A 1 de março de 1160 foi fundada Tomar com o início da construção do castelo. D Gualdim Pais concedeu-lhe foral em 1162.

Com a extinção da Ordem do Templo em 1312 por decisão do Papa Clemente V, que queria ver os templários banidos da Europa, foi fundada a Ordem de Militar de Cristo. Devido à necessidade de defender a fronteira algarvia, a sede desta Ordem transferiu-se para Castro Marim. Trinta e sete anos depois, voltou a fixar-se em Tomar mais concretamente no seu castelo.

Assim Tomar viria a ser o centro originador e principal sustentador da epopeia dos Descobrimentos. O Infante D. Henrique, nomeado pelo Papa como Regedor da Ordem de Cristo, viria a instalar-se no castelo de Tomar.

Foi elevada à categoria de cidade em 1844, tendo sido visitada pela Rainha D. Maria II no ano seguinte.

 

Convento de Cristo_tomar.jpg

Convento de Cristo - Tomar

 

GASTRONOMIA

 

Castelo Branco

- Laburdo

- Fritada

- Ensopado cabrito

- Bucho recheado

 

Guarda

- Queijo da Serra

- Sopa de grão

- Morcelas

- Enchidos

- Maranhos

- Borrego assado

- Serrabulho a moda da Beira

- Rancho de Seia

- Tijelada (doce)

 

Viseu

- Cabrito da Grelheira

- Maça da Beira Alta

- Vitela de Lafões

- Rancho de Viseu

 

VINHOS

 

Região Vinícola da Beira Interior

É a região mais montanhosa de Portugal continental, compreendendo algumas das serras mais altas de Portugal.

O clima sofre de uma influência continental extremada, com importantes variações de temperatura, verões curtos, quentes e secos, e Invernos prolongados e muito frios.

Os solos são maioritariamente graníticos, com pequenas manchas de xisto e, embora pouco comuns, manchas arenosas.

A Beira Interior encontra-se dividida em três sub-regiões, Castelo Rodrigo, Pinhel e Cova da Beira. Castelo Rodrigo e Pinhel, apesar de se encontrarem separadas por cadeias montanhosas, partilham características semelhantes.

Por sua vez a Cova da Beira apresenta-se diferente, estendendo-se desde os contrafortes da Serra da Estrela até ao vale do Tejo, a Sul de Castelo Branco.

As castas brancas predominantes são o Arinto, Fonte Cal, Malvasia Fina, Rabo de Ovelha e Síria, enquanto nos tintos prevalecem o Bastardo, Marufo, Rufete, Tinta Roriz e Touriga Nacional, com presença regular de vinhas muito velhas.

 

vinhos_beira_inter.jpg

 

Região Vinícola Dão e Lafões

Rodeada por montanhas em todas as direcções, assente em solos graníticos muito pobres, a região do Dão estende as suas vinhas dispersas entre pinhais a diferentes altitudes, desde os 1.000 metros da Serra da Estrela até aos 200 metros das zonas mais baixas.

As vinhas são esparsas e descontínuas, divididas em múltiplas parcelas, com propriedades com áreas médias quase insignificantes.

As montanhas determinam e condicionam o clima da região, abrigando as vinhas da influência directa do clima continental e da influência marítima. Os solos pobres são maioritariamente graníticos.

Nas castas brancas salientam-se, para além do Encruzado, as variedades Bical, Cercial, Malvasia Fina, Rabo de Ovelha e Verdelho. Nas castas tintas, para além da Touriga Nacional, salientam-se o Alfrocheiro, Jaen e Tinta Roriz, para além das pouco valorizadas Baga, Bastardo e Tinta Pinheira.

Lafões é uma pequena região de transição, encravada entre as denominações do Dão e Vinho Verde, cortada pelo rio Vouga, com solos maioritariamente graníticos.

Nas castas brancas prosperam o Arinto, Cerceal, Dona Branca, Esgana Cão e Rabo de Ovelha, sendo os tintos dominados pelas castas Amaral e Jaen. Por regra, os vinhos de Lafões mostram um pendor acídulo, apresentando um estilo semelhante ao da denominação vizinha do Vinho Verde

 

vinhos dao_lafoes.jpg

 

 Mais infortmaçoes: turiventos@sapo.pt

 

Post by: Turiventos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:05

FR - Carte Gastronomique du Portugal

por Turiventos, em 18.02.15

mapa gastronomia.jpg

Les plats typiques de régions du Portugal

 

Nord

 

Braga

- Papas de serrabulho

- Bacalhau a Braga

- Pudim de Abade de Priscos

 

Bragança

- Cabrito no forno

- Caldeirada de Cabrito

- Alheiras

- Carne Mirandesa

 

Chaves

- Presunto

- Alheiras

- Cabrito assado

-Cozido transmontano

- Folar

 

Guimarães

- Broa de Milho

- Toucinho do Céu (doce)

- Galo de cabidela

- Bacalhau com broa

 

Porto

- Bacalhau a Gomes Sá

- Bacalhau a Zé do Pipo

- Caldo Verde

- Feijoada a moda do Porto

- Francesinha

- Papo de Anjo (doce)

- Rojões

- Polvo assado

 

Viana do Castelo

- Marisco

- Rojões a moda do Minho

- Doce Santa Luzia

- Arroz de Polvo

- Bacalhau

 

Vila Real

- Feijoada Transmontana

- Cabrito assado com arroz no forno

- Enchidos

 

Centre

 

Aveiro

- Lampreia

- Caldeirada de Enguias

- Pão de Ló – Alfeizerão

- Ovos Moles

- Leitão

 

Castelo Branco

- Laburdo

- Fritada

- Ensopado cabrito

- Bucho recheado

 

Coimbra

- Lampreia

- Barrigas de Freira

- Pastéis de Tentugal

- Chanfana

- Leitão assado (Mealhada – Bairrada – Negrais)

 

Guarda

- Queijo da Serra

- Sopa de grão

- Morcelas

- Enchidos

- Maranhos

- Borrego assado

- Serrabulho a moda da Beira

- Rancho de Seia

- Tijelada (doce)

 

Peniche

- Caldeirada

- Arroz Marisco

- Salada Polvo

- Peixe grelhado

 

Viseu

- Cabrito da Grelheira

- Maça da Beira Alta

- Vitela de Lafões

- Rancho de Viseu

 

 

Lisbonne et Vallée du Tage

 

Lisbonne

- Caldo Verde

- Sardinhas assadas

- Pasteis de bacalhau

- Pataniscas de bacalhau

- Cozido a Portuguesa

- Arroz doce

- Pastéis de Belém.

 

Setúbal

- Choco frito

- Marisco

- Queijos de Azeitão

- Tortas de Azeitao

- Caldeirada a Pescador (Sesimbra)

- Sardinhas

- Enguias fritas (Lançada)

 

Alentejo

 

Alcácer do Sal

- Pinhoada (doce)

- Ensopado de enguias

- Coelho frito

- Achega grelhado

 

Arraiolos

- Migas de espargos

- Migas de bacalhau

- Pasteis de toucinho de Arraiolos (doce)

- Ensopado de borrego

 

Beja

- Sopa de tomate

- Sopa de baldroega com queijo

- Cozido de grão

- Pão de Rala (doce)

- Figado de coentrada

Estremoz

- Sopa de hortelã

- Poejada de bacalhau

- Pezinhos de coentrada

- Burras assadas

- Cachola

- Encharcada (doce)

 

Évora

- Migas

- Sopa de toucinho

- Açorda alentejana

- Ensopado de borrego

- Cabeça de Xara

- Perdiz À Montemor

- Encharcada (doce)

- Trouchas de ovos (doce)

- Queijadas de Évora

 

Ferreira do Alentejo

- Açorda de alho

- Sopa de cação

- Feijao branco com carrasquilhos

- Ferreirenses (doce)

 

Grândola

- Perdiz com feijão raiano

- Sopa de Peixe

- Pitéu de enguia

- Moreira dos almocraves

 

Moura

- Gaspacho

- Carne porco alentejana

- Entrecosto

- Açorda de bacalhau

- Orelha porco de coentrada

- Manjar (doce)

 

Reguengos

- Sopa da panela

- Secretos porco preto

- Sericaia (doce)

 

Serpa

- Sopa Lavadas

- Migas

- Borrego a pastora

- Surra Burra

- Queijo Serpa

- Enchidos porco preto

- Tosquianos (doce)

 

Vila Viçosa

- Sopa de cação

- Cozido À alentejana

- Favada

- Tibornas (doce)

- Filhós (doce)

 

Algarve

 

- Caracóis À algarvia

- Caldeirada algarvia

- Feijoada de marisco

- Cataplana de marisco

- Ostras algarvias

- Arroz de berbigão

- Choquinhos a algarvia

- Carapaus alimados

- Feijoada de búzios

- Bife de Atum

- Arroz de lingueirão

- Lapas

 

Madeira

 

- Bolo do caco

- Espetadas madeirenses com milho frito

- Lapas grelhadas

- Bolo de mel

- Peixe Espada preto

- Bife de Atium

- Filete de espada

 

Açores

 

- Sopa Azeda

- Cozido das Furnas

- Queijos

- Alcatra

- Mariscos

- Caldeirada

- Sarapatel

- Torresmos

- Camafeu (doce)

 

Posté par: Turiventos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:28

EN - Gastronomic Map of Portugal

por Turiventos, em 18.02.15

mapa gastronomia.jpg

Typical dishes from regions of Portugal

 

North

 

Braga

- Papas de serrabulho

- Bacalhau a Braga

- Pudim de Abade de Priscos

 

Bragança

- Cabrito no forno

- Caldeirada de Cabrito

- Alheiras

- Carne Mirandesa

 

Chaves

- Presunto

- Alheiras

- Cabrito assado

- Cozido transmontano

- Folar

 

Guimarães

- Broa de Milho

- Toucinho do Céu (doce)

- Galo de cabidela

- Bacalhau com broa

 

Porto

- Bacalhau a Gomes Sá

- Bacalhau a Zé do Pipo

- Caldo Verde

- Feijoada a moda do Porto

- Francesinha

- Papo de Anjo (doce)

- Rojões

- Polvo assado

 

Viana do Castelo

- Marisco

- Rojões a moda do Minho

- Doce Santa Luzia

- Arroz de Polvo

- Bacalhau

 

Vila Real

- Feijoada Transmontana

- Cabrito assado com arroz no forno

- Enchidos

 

 

Center

 

Aveiro

- Lampreia

- Caldeirada de Enguias

- Pão de Ló – Alfeizerão

- Ovos Moles

- Leitão

 

Castelo Branco

- Laburdo

- Fritada

- Ensopado cabrito

- Bucho recheado

 

Coimbra

- Lampreia

- Barrigas de Freira

- Pastéis de Tentugal

- Chanfana

- Leitão assado (Mealhada – Bairrada – Negrais)

 

Guarda

- Queijo da Serra

- Sopa de grão

- Morcelas

- Enchidos

- Maranhos

- Borrego assado

- Serrabulho a moda da Beira

- Rancho de Seia

- Tijelada (doce)

 

Peniche

- Caldeirada

- Arroz Marisco

- Salada Polvo

- Peixe grelhado

 

Viseu

- Cabrito da Grelheira

- Maça da Beira Alta

- Vitela de Lafões

- Rancho de Viseu

 

 

Lisbon e Vale do Tejo

 

Lisbon

- Caldo Verde

- Sardinhas assadas

- Pasteis de bacalhau

- Pataniscas de bacalhau

- Cozido a Portuguesa

- Arroz doce

- Pastéis de Belém.

 

Setúbal

- Choco frito

- Marisco

- Queijos de Azeitão

- Tortas de Azeitao

- Caldeirada a Pescador (Sesimbra)

- Sardinhas

- Enguias fritas (Lançada)

 

Alentejo

 

Alcácer do Sal

- Pinhoada (doce)

- Ensopado de enguias

- Coelho frito

- Achega grelhado

 

Arraiolos

- Migas de espargos

- Migas de bacalhau

- Pasteis de toucinho de Arraiolos (doce)

- Ensopado de borrego

 

Beja

- Sopa de tomate

- Sopa de baldroega com queijo

- Cozido de grão

- Pão de Rala (doce)

- Figado de coentrada

Estremoz

- Sopa de hortelã

- Poejada de bacalhau

- Pezinhos de coentrada

- Burras assadas

- Cachola

- Encharcada (doce)

 

Évora

- Migas

- Sopa de toucinho

- Açorda alentejana

- Ensopado de borrego

- Cabeça de Xara

- Perdiz À Montemor

- Encharcada (doce)

- Trouchas de ovos (doce)

- Queijadas de Évora

 

Ferreira do Alentejo

- Açorda de alho

- Sopa de cação

- Feijao branco com carrasquilhos

- Ferreirenses (doce)

 

Grândola

- Perdiz com feijão raiano

- Sopa de Peixe

- Pitéu de enguia

- Moreira dos almocraves

 

Moura

- Gaspacho

- Carne porco alentejana

- Entrecosto

- Açorda de bacalhau

- Orelha porco de coentrada

- Manjar (doce)

 

Reguengos

- Sopa da panela

- Secretos porco preto

- Sericaia (doce)

 

Serpa

- Sopa Lavadas

- Migas

- Borrego a pastora

- Surra Burra

- Queijo Serpa

- Enchidos porco preto

- Tosquianos (doce)

 

Vila Viçosa

- Sopa de cação

- Cozido À alentejana

- Favada

- Tibornas (doce)

- Filhós (doce)

 

 

 

Algarve

 

- Caracóis À algarvia

- Caldeirada algarvia

- Feijoada de marisco

- Cataplana de marisco

- Ostras algarvias

- Arroz de berbigão

- Choquinhos a algarvia

- Carapaus alimados

- Feijoada de búzios

- Bife de Atum

- Arroz de lingueirão

- Lapas

 

Madeira

 

- Bolo do caco

- Espetadas madeirenses com milho frito

- Lapas grelhadas

- Bolo de mel

- Peixe Espada preto

- Bife de Atium

- Filete de espada

 

Açores

 

- Sopa Azeda

- Cozido das Furnas

- Queijos

- Alcatra

- Mariscos

- Caldeirada

- Sarapatel

- Torresmos

- Camafeu (doce)

 

Post by: Turiventos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:17

EN - The History of Fado (With Mariza)

por Turiventos, em 19.01.15

 

 

 

 Post by:

Turiventos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:25

Cultural heritage - historical - architecture - religious.Gastronomy - Wine and Olive Oil .

Duration – 1 week 

Circuito do Alentejo capa eng.jpg

Follow the links to read:

Alentejo 2 - Alcacer do Sal

http://turiventos-turismoeventos.blogs.sapo.pt/travel-tips-tour-alentejo-2-alcacer-4689

Alentejo 3 - Grandola

http://turiventos-turismoeventos.blogs.sapo.pt/travel-tips-tour-alentejo-3-grandola-4989

Alentejo 4 - Ferreira do Alentejo

http://turiventos-turismoeventos.blogs.sapo.pt/travel-tips-tour-alentejo-4-ferreira-1757

Alentejo 5 - Serpa

http://turiventos-turismoeventos.blogs.sapo.pt/travel-tips-tour-alentejo-6-serpa-2241

Alentejo 6 - Beja

http://turiventos-turismoeventos.blogs.sapo.pt/travel-tips-tour-alentejo-5-beja-2030

Alentejo 7 - Moura

http://turiventos-turismoeventos.blogs.sapo.pt/travel-tips-tour-alentejo-7-moura-2501

Alentejo 8/9 - Reguengos Monsaraz - Alqueva

http://turiventos-turismoeventos.blogs.sapo.pt/travel-tips-tour-alentejo-89-2572

Alentejo 10 - Vila Viçosa

http://turiventos-turismoeventos.blogs.sapo.pt/travel-tips-tour-alentejo-10-vila-6549

Alentejo 11 - Estremoz

http://turiventos-turismoeventos.blogs.sapo.pt/travel-tips-tour-alentejo-11-estremoz-3284

Alentejo 12 - Arraiolos

http://turiventos-turismoeventos.blogs.sapo.pt/travel-tips-tour-alentejo-12-3387

Alentejo 13/14 - Evora - Escoural

http://turiventos-turismoeventos.blogs.sapo.pt/travel-tips-tour-alentejo-1314-3650

 

Post by:

Turiventos

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:50

Ruta: Alfama el origen de la ciudad

trajeto alfama.jpg

Distancia: 6 millas. Dificultad: Medio CircuitoUrbanos Duración (aproximado): - 4 o 5 horas

Lugares para visitar:

Plaza del Palacio: Entorno - estatua de José I - Arco de la calle Augusta - Lisboa Story Center - Buró de Turismo de Lisboa - Beer Museum -Río Tajo.

terreiro paço.jpg

Tranvía 28: Típico eléctrica Alfama alza

 

eletrico 28.jpg

 

Mirador de Nuestra Señora del Monte: Ver la ciudad de Lisboa, cerca del castillo, Martim Moniz, Rossio, Bairro Alto, Río Tajo, Puente 25 de abril de Almada.

 

miradouro sra monte.jpg

 

Portas do Sol Punto de vista: Vista al este de la ciudad, el Panteón Nacional, Iglesia de S. Vicente  Fora, Valla Nova (muralla de la ciudad), Estatua de San Vicente  (patrona de la ciudad).

 

miradouro portas sol.jpg

 

Castelo S. Jorge: (Entrada livre) - Visita ao interior do Castelo é paga

castelo s jorge.jpg

 

Sta Luzia punto de vista :. Vista del río Tajo y Alfama

 

miradouro sta luzia.jpg

 

Teatro Romano: Rastros de un teatro romano

 

teatro romano.jpg

 

Iglesia de San Antonio: El santo patrón de las bodas de Lisboa
y Anthony Museo

 

igreja sto antonio.jpg

 

Catedral de Lisboa: emblemática iglesia de Lisboa

Sé.jpg

 

Calles de Alfama: Ruta de las calles típicas de casas de fado de Alfama

 

Ruas alfama.jpg

 

Largo do Chafariz de Dentro: ubicación de la entrada de la ciudad en el siglo XII

Museu del Fado: Museo de la historia del fado "Patrimonio Inmaterial de la Humanidad"

 

museu fado.jpg

 

Casa dos Bicos: Funciona Fundación José Saramago

Casa dos icos.jpg

 Publicación por:

António Duro

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:16

EN - Grandola - Tour Alentejo 3 - Travel Tips

por Turiventos, em 08.01.15
Cultural heritage - historical - architecture - religious.Gastronomy - Wine and Olive Oil .

Duration – 1 week

Circuito do Alentejo capa eng.jpg

 

2 - GRANDOLA

Travel: Alcacer do Sal »Grândola: 24 kms.

Travel time (expected): 20 m.

The City

Housed in Alentejo Litoral, the Grândola municipality has an area of 814 km2, an extensive coastline and borders the north with the municipality of Alcacer do Sal, the source with the Ferreira do Alentejo, south of Santiago Cacém, to the west by the Atlantic Ocean, and to the north and northwest by the Sado river, which separates it from the Setúbal county.

In geological terms, its territory is characterized by three main areas, the mountains of Sines, the plain and the coastal strip, which have marked differences in soil composition, in relief, the flora and the landscape in general.

The saw of Sines, predominantly schist, date of lower carbon, is the ancient geology of the Iberian Meseta, and has its peak in the hill of the Watchtower, with 326 m of altitude. Forming a physical barrier that separates the coastal area, with influence on climate and landscape aspects, is the least populated area of the county, and is for the most part covered with cork.

The plain is characterized, the source, the extension and the gentle slopes of the Sierra, and the north and northwest by the tertiary formations of the Sado basin, consisting of sands and clays of the Pliocene. From north to south the forest cover gradually moves from the pine forest mounted, and it is this area that lives most of the population.

The Coastal Zone is characterized by its 45 km of white sand beaches and crystalline waters, and the seabed is sandy as a result of accumulation of sedimentary materials. Into the territory, examples of dune systems of various sizes and typical vegetation, extending then large pine forest patches. The Coast there is the Melides lagoon and, further north, the Sado estuary, with rice fields Carvalhal, and the muddy banks and Trojan marshes.

Despite its extensive coast, the climate of this region can be considered Mediterranean with Atlantic influence. Due to various factors, simultaneously present maritime and continental characteristics, often with alternating days Atlantic and continental characteristics. Rainfall is very irregular throughout the year, the distribution of dry and wet years is relatively random, and the average annual rainfall is around 600 mm.

The specifics of each of these areas and poor agricultural capacity of most soils conditioned its settlement and economic and social development. Its population is around 15,000 inhabitants, mostly concentrated in Grândola, the county seat, and in the parish of the same name.

Ruinas Romanas do Castelo do Serrado (Roman Ruins of Castle Cerrado) (next to Fire Volunteers Grândola)

In the first nucleus was discovered, the Roman period, a set of structures, possibly ancient thermal baths, forming compartments each other, with tiled walls Signium opus, formed by four small ponds, a swimming pool and two rooms.

cerrado castelo grandol.jpg

 

Monumento Magalitico do Lousal (Megalithic Monument Lousal)

Longitudinal plan composed of gallery, rectangular, polygonal and secondary main crypt crypt or niche large, elliptical, separated from the main crypt by passing with septa, and according to an axis oriented east / west, with entrance to this. Gallery marked by five pillars, two on one side, the other three, one large; main crypt with 8 pillars, the largest with about two feet tall; secondary crypt composed of nine lower anchors.

lousal.jpg

 

Gastronomy

In the traditional cuisine of Grândola municipality coexist two fundamental aspects. On the one hand, the result of influences from the interior Alentejo, dominated by broths, the açordas, the jantarinhos, the dishes pork meat and lamb and game dishes; on the other hand, the drifting of artisanal fishing activities along the coastline and proximity to major fishing ports, resulting in several fish dishes, such as: soups and pasta fish, eels (stew, stew or fried).

As for wine, we highlight the Pinheiro da Cruz. As for desserts, you can enjoy the alcomonias and sweets of Melides pinion.

Alcomonias.jpg

 (Alcominas)

Typical dishes

Soups:

Chowder

Açorda Alentejo

Purslane soup with cheese

Meat:

Pork the Alentejo

Pork belly rice

Chicken with peppers

Weak to Figueira

Partridge with bean-rayed

Fish / seafood:

Delicacy eel

Moraine of mule drivers

Snacks / Other:

Migas to sawyer

Purée the sawyer

Mass eggs

Confectionery:

Alcomonias

 

WINE AND OLIVE OIL

A Serenada Enoturismo (The Serenada Wine Tourism) - RIC 1265 -

Andrew Knoll - Sobreiras High - 7570-345 Grândola

GPS: 38 11 '54' 'N / 8 39' 25 '' The

geral@serenada.pt

reservas@serenada.pt

Tel. (+ 351) 269 498 014 Mobile. (+351) 929 067 027

The Grândola strains saws wine with 50 red 2011 years won a silver medal in the International Competition of Lyon 2014.with 5o years.  2011 won a silver medal in the International Competition of Lyon 2014.

serenata enoturismo.jpg

 

to be continued...

Post by: António Duro

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:10

Cultural heritage - historical - architecture - religious.Gastronomy - Wine and Olive Oil .

Duration – 1 week 

Circuito do Alentejo capa eng.jpg

 

1 - ALCACER SAL

 

Travel: Lisbon »Alcacer do Sal: 90 kms.

Travel time (expected): 1h15m

The City

Alcacer do Sal is a historic city, leaning in amphitheater on the River Sado, populated by old medieval quarters and topped by a Muslim base castle. Alcacer do Sal is the seat of a large city (the second largest in the country), with 1479.94 square kilometers of area, but only just over 13 thousand inhabitants, divided into four parishes: Floodgate, Saint Martin, and Lump Union Parishes of Alcacer do Sal (Santa Maria do Castelo and Santiago) and Santa Susana.

The county is bordered to the north by the municipalities of Palmela, Vendas Novas and Montemor-o-Novo; northeast, in Viana do Alentejo; the east by Alvito; the south by Ferreira do Alentejo and Grândola; west, also Grândola, through a Sado Estuary arm and northwest through the Sado Estuary, in Setúbal.

A few kilometers from the city of Alcacer, following the course of the Sado river downstream, is the Natural Reserve of the Sado Estuary, which develops over about 23,160 hectares, most of which corresponding to wetlands in particular canals, estuaries and marshes.

Castelo de Alcácer do Sal/Pousada (Sal / Hostel Alcazar Castle)

Archaeological Crypt of Alcazar Castle - Lower Floor INN - Alfonso II

Daylight saving time (July and August): 9h30-13h, with last entry at 12.30; 15h-18h30, with last entry at 18.00.

Winter hours: 9 am-12.30 pm, with last entry at 12pm; 14h-17h30, with last entry at 17.00.

NOTE: The last entry is made always half an hour before closing time.

The crypt is closed on Monday.

Twenty-six centuries of history intersect in the Archaeological Crypt of Alcacer do Sal Castle, inaugurated on 18 April 2008. The underground, dug in the basement of the fortress and the former Convent of Aracaeli Today, it hosts the INN Afonso II offers a real time travel. In a unique atmosphere, you can see traces of all the peoples who lived on the hill at the foot of which stands the city and then left their mark.

 This discovery occurred in the mid-90s, with the recovery project of the ruins and their conversion to tourism. Excavations then carried out by the late archaeologist and authority of alderman, Joao Carlos Faria, revealed traces of the Iron Age, dating back to the sixth century BC, as well as structures from the Roman period and the Islamic occupation, covering a considerable area.

In the Convent of the project area met medieval walls and also the post Christian reconquest time, partially grounded in Roman walls which, in turn, overlap the older pre-existing structures, dating from the Iron Age. Thus coexist in the same space findings with over 2,500 years of each other. 

castelo alcacer sal.jpeg

 

Fórum Romano de Alcácer do Sal (Roman Forum of Alcacer do Sal)

In addition to the time diversity, the traces shown a plurality of types. Along with numerous objects, is a concourse with a width of 3.50 meters and at the beginning of the Roman occupation, was provided with a drainage ditch; buildings with some grandeur that can translate the existence of a prime area of the urban agglomeration; as well as a Roman temple whose imbricated structures in an extremely rare architectural complex.

The massive ruins, properly cleaned and prepared, then provide a differentiated reading of times there overlap of the oldest in the fifth century BC to the most modern in the 17th century.

Near the Castle of Alcácer today INN, are two archaeological sites dating back to the Iron Age. These structures are identified as part of the "Roman Forum Salacia Urbs Imperatoria".

 The Roman Forum, discovered in 1983, has a great wall built entirely in stone and a rectangular room, made up of white-gray marble slabs.

 Everything suggests that these structures extend into the area now occupied by the Church of Santa Maria, and can be built up before a set that would occupy an area of 80x40 meters, corresponding to a "Provincial Forum".

The estate found also highlighted some fragments of inscriptions, statues and pieces of marble friezes frames.

These buildings were also occupied during the Muslim period (8th to  11th century) as witnessed by the remains of housing, food storage silos, water pipes and tanks found at higher levels.

forukj romano alcacer.JPG

 

Gastronomy

The gastronomy of Alcacer Sal press for its wealth. Based on the Mediterranean trilogy that combines bread, olive oil and wine, the locals loved him herbs and other products of the earth, especially the lamb, pork and game.

Another highlight is the role of rice, pine nuts and other specialties that seasonally born spontaneously in the fields of the county, the case of wild asparagus, the túbaras or carrasquinhas.

Are recognized as regional dishes: eel stew, bread or potato crumbs, roasted lamb in the oven, fried rabbit to St. Christopher, rebolão potatoes with pork ribs, lamb stew, purslane soup, fish soup, bass grilled, mass fish, seasoned beans, bread soup (diversified dish that you can eat with: olives, cod, grapes, figs, fried fish, hake, sardines or clams). Also noteworthy are the traditional manufacture products such as sausages and sheep cheeses, which are greatly appreciated.

The Alcacer do Sal of gastronomy displays still the convent sweets. Are famous their revenues (some secret) in which the quality of foodstuffs was combined with the mastery of Makers to produce exquisite palates. We must certainly not help but enjoy the pinhoadas, the pie pine nuts, sweets eggs, honey cake, the curd cheesecake, the salatinos, the real cake and bean cakes and almond.

Pinhoadas 010.jpg

 

WINE AND OLIVE OIL

Alcacer do Sal

Herdade da Comporta

Holds space, EN 253, 1 km

7580-682 Comporta

Alcacer do Sal

Tel .: 265 499 900

Fax: 265 497 547

Email: adega@herdadedacomporta.pt

Web: www.herdadedacomporta.com

The wine project of Herdade da Comporta is now a success, recognized in several national and international competitions: 

Ultimate Wine Challenge - NY 2014

Herdade da Comporta Tinto 2011-91 points

Chão das Rolas Tinto 2013-90 points

Wine Enthusiast Magazine 2013

Parus Tinto 2010-92 points

Parus White 2011-91 points

Parus Tinto 2011-90 points

Parus White 2012-90 points

Herdade da Comporta Tinto 2009-87 points

Chão das Rolas Tinto 2012-85 points

International Wine Challenge 2013

Herdade da Comporta Red 2009 - Silver Medal

Floor of the White Doves 2013 - Bronze Medal

Chão das Rolas Tinto 2013 - Recommended

 

vinhos_premiados_herdade_da_comporta_.jpg

 

Herdade do Portocarro (Homestead Portocarro)

Apartado 2023- Sao Romao do Sado

7595-040 Torrão

Email: capitao2@kanguru.pt

Head: José A. L. Mota Captain

The red wine "Crazy Horse 2009" Portocarro of the Estate, the Alcacer do Sal municipality was considered the best Portuguese red wine and obtained the best classification in all categories of wines that were tendered in an organization of Vestigius Wine Bar, Lisbon , and joined six experts, independent and prestigious, who evaluated 160 Portuguese wines references, spread over seven categories, and classified by us points. The proof that distinguished the local wine held from 26 to 30 March 2010

HPortoicarro-vinhos.jpg

 

Herdade das Soberanas (Estate of Sovereign)

Monte Sovereign Low (Estate)

7595-077 Torrão

Alcacer do Sal

Tel .: 213844299

Fax: 213878419

With the 2006 harvest, was born the XS, which demonstrates the excellence of our grapes and the typical features of their profile.

We assume the XS with total freedom batch composition from year to year of the existing red varieties in our vineyard in particular Alicant Bouschet, Trincadeira, Aragonese, Alfrocheiro and Ink Caiada. Matures twelve months in French oak barrels and stainless steel vats and makes a bottle stage, which can go up to twelve months, where he acquired a great complexity, before going to market.

It is produced every year.

Awards:

- Commended Medal, International Wine Challenge 2010, England

- Gold Medal, Competition MUNDUSvini International Wine Academy 2010, Germany

- Gold Medal, China Sommeliers Wine Challange 2012, Shanghai

 

bt vinhos herdade soberana.jpg

 

Herdade da Monteira (Homestead Monteira)

Homestead Monteira - Apartado 74

7580-320

Tel. 932705007

Email: terrasdecaminha@gmail.com

Along the Alcacer do Sal, Herdade da Monteira develops his vineyard with high tree density in 4 acres of sandy soil.

24,000 plants of Albariño grape varieties, Touriga Nacional and Touriga Franca give rise to wines of complex aromas, floral notes, great structure and high quality acidity, intense aromatic notes and long finish.

The Monteira the Estate wines are the result of various transformation processes made with great accuracy and with great dedication and passion

monteira herdade.jpg

 

to be continued...

Post by: António Duro

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:04

Lisboa dos Descobrimentos - Belém.

Circuitos Lisboa  Belem.jpg

Distancia – 35 kms.  Dificuldade – Média. Circuito – Urbano.  Duração – 1 dia

 

Museu do Coches - O Museu Nacional dos Coches recebeu o Prémio da Melhor Aplicação de Gestão e Multimédia. Criado por iniciativa da Rainha D. Amélia de Orleãns e Bragança, mulher do rei D. Carlos I, o “Museu dos Coches Reaes”, como então se chamava, foi inaugurado no dia 23 de Maio de 1905

museu-coches.jpg

 

Pastéis de Belém - No início do Século XIX, em Belém, junto ao Mosteiro dos Jerónimos, laborava uma refinação de cana-de-açúcar associada a um pequeno local de comércio variado. Como consequência da revolução Liberal ocorrida em 1820, são em 1834 encerrados todos os conventos de Portugal, expulsando o clero e os trabalhadores. Numa tentativa de sobrevivência, alguém do Mosteiro põe à venda nessa loja uns doces pastéis, rapidamente designados por "Pastéis de Belém".

pasteis-de-belem2.jpg

 

Mosteiros dos Jerónimos – Sec. XVI, com arquitectura manuelina, este Mosteiro é o mais notável conjunto monástico português do seu tempo e uma das principais igrejas-salão da Europa, estando classificado como Monumento Nacional desde 1907 e como património mundial da UNESCO desde 1983. Em 7 de Julho de 2007 foi eleito como uma das sete maravilhas de Portugal.

mosteiro dos Jeronimos.jpg

 

Museu da Marinha – Foi o Rei D. Luís, o único monarca português que comandou navios, quem começou por escrever a história do Museu de Marinha. A 22 de Julho de 1863, decreta a constituição de uma coleção de testemunhos relacionados com a atividade marítima portuguesa. Reflecte o louvável esforço de preservação, que se observou durante os séculos XVI e XVII. Foi o caso da Rainha D. Maria II, que em muito contribuiu para a constituição do núcleo de peças inicial deste museu, ao oferecer à Real Academia dos Guardas-Marinha - predecessora da Escola Naval - os modelos de navios existentes no Palácio da Ajuda.

museu marinha.jpg

 

CCB - Centro Cultural e Belém - Foi iniciado em Setembro de 1988 e concluído em Setembro de 1993. Na base da sua construção esteve a necessidade de um equipamento arquitectónico, que pudesse acolher, em 1992, a presidência portuguesa da União Europeia, e que, ao mesmo tempo, pudesse permanecer, como um pólo dinamizador de actividades culturais e de lazer. O grande auditório acomoda 1429 lugares, o pequeno auditório tem uma lotação de 310 lugares e a Sala de Ensaio comporta 85 lugares. Ainda dispõe de quatro galerias que apresenta e produz exposições de artes plásticas, arquitectura, design e fotografia

ccb.jpg

 

Jardim de Belém – Jardim Vasco da Gama, normalmente conhecido apenas por Jardins de Belém é uma extensão de cerca de cinco hectares relvados e rodeados por uma orla de árvores. Situado no local onde antes existia a praia de onde saiam as naus na época dos Descobrimentos, este trabalho do arquiteto paisagista António Saraiva tem ao centro uma estátua dedicado ao navegador que lhe dá nome, Vasco da Gama.

jardim de Belém.jpg

 

Padrão dos Descobrimentos - O Monumento aos Descobrimentos (ou Padrão dos Descobrimentos; ou Monumento aos Navegantes) localiza-se na freguesia de Belém, na cidade e Distrito de Lisboa, em Portugal. Em posição destacada na margem direita do rio Tejo, o monumento original, em materiais perecíveis, foi erguido em 1940 por ocasião da Exposição do Mundo Português para homenagear as figuras históricas envolvidas nos Descobrimentos portugueses; a réplica atual é posterior, tendo sido inaugurada em 1960. Para além da estátua principal do Infante Dom Henrique, o Navegador, segurando um modelo de uma caravela, de ambos os lados das rampas do monumento há um total de 32 figuras da história dos descobrimentos, especificamente (da esquerda para a direita).

padrao descobrimentos.jpg

 

Torre de Belém - A Torre de Belém é um dos monumentos mais expressivos da cidade de Lisboa. Localiza-se na margem direita do rio Tejo, onde existiu outrora a praia de Belém. Inicialmente cercada pelas águas em todo o seu perímetro, progressivamente foi envolvida pela praia, até se incorporar hoje à terra firme. O monumento destaca-se pelo nacionalismo implícito, visto que é todo rodeado por decorações do Brasão de armas de Portugal, incluindo inscrições de cruzes da Ordem de Cristo nas janelas de baluarte; tais características remetem principalmente à arquitetura típica de uma época em que o país era uma potência global (a do início da Idade Moderna).  Esta fortificação integrava o plano defensivo da barra do rio Tejo projectado à época de João II de Portugal (1481-1495). Classificada como Património Mundial pela UNESCO desde 1983, foi eleita como uma das Sete maravilhas de Portugal em 7 de julho de 2007.

torre de belem.jpg

 

Museu do Oriente – A abertura do Museu do Oriente, em 2008, marcou um novo ciclo na vida da Fundação Oriente. Os princípios que determinaram a sua criação mantêm-se, como se mantém a vontade de bem servir Portugal e a vocação de contribuir para o encontro entre Ocidente e Oriente e para uma relação entre civilizações em que o conhecimento, a arte e também as relações económicas substituam a ignorância, o fanatismo e a guerra. A ressurgência internacional da China e da Índia e a importância crucial das relações de Portugal e da Europa com a nova Ásia são hoje uma manifesta realidade. E se a diplomacia e as relações económicas são essenciais, elas terão, porém, de assentar, tal como no passado, nas artes, nas ciências e na cultura, que podem representar formas duradouras de convergência entre as grandes civilizações. A exposição permanente “Presença Portuguesa na Ásia” é digna de ser visitada.

museu do oriente.jpg

 

Museu Nacional de Arte Antiga – Criado em 1884, habitando, há quase 130 anos, o Palácio Alvor e cumprindo mais de um século da atual designação, o MNAA - Museu Nacional de Arte Antiga alberga a mais relevante coleção pública portuguesa, entre pintura, escultura, ourivesaria e artes decorativas, europeias, de África e do Oriente. Composto por mais de 40000 itens, o acervo do MNAA compreende o maior número de obras classificadas pelo Estado como “tesouros nacionais”. Engloba também, nos diversos domínios, obras de referência do património artístico mundial.

museu-nacional-de-arte-antiga.jpg

Post by: Turiventos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:11


Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D